Agroanalysis - A Revista de Agronegócio da FGV

Recursos hídricos

Vulnerabilidade da água subterrânea no MATOPIBA

Janeiro de 2017

O PLANEJAMENTO e a gestão de uso e ocupação do solo por meio da restrição e da fiscalização das atividades antrópicas são uma estratégia eficaz para a proteção dos recursos hídricos

Há mais de quinze anos, a produção agrícola empresarial ocorre em alguns municípios do MATOPIBA, que é composto pelo estado de Tocantins e partes dos estados de Maranhão, Piauí e Bahia, totalizando 73 milhões de hectares. No MATOPIBA, são produzidos anualmente em torno de 20 milhões de toneladas de algodão em pluma, soja, arroz e milho, em uma área de 5,7 milhões de hectares. A região conta com quase 6 milhões de habitantes e 324 mil estabelecimentos agrícolas e se caracteriza por apresentar grande diversidade e complexidade nas condições naturais e sociais.

A Embrapa Gestão Territorial elaborou um trabalho em que foram identificadas as características de bioma, relevo, clima e solos predominantes nos municípios com alta produção de soja, milho e algodão da região. Os resultados mostraram que, nestas áreas, há predominância de: bioma Cerrado (94% do total); relevo de chapadas e depressões (84%); período sem chuva de quatro a cinco meses (89%); e solos das ordens Latossolos e Neossolos (51% e 34%, respectivamente).

As restrições de uso e ocupação do solo são fundamentais à proteção dos recursos hídricos, porque não permitem que determinadas atividades ocorram em áreas críticas dos mananciais. Sabe-se que a função de filtragem do solo é um importante serviço ecossistêmico para a proteção das águas subterrâneas e superficiais. O solo atua como filtro natural de poluentes e serve como meio para os processos de retenção e degradação de poluentes. Assim, as propriedades dos solos influem fortemente no grau de vulnerabilidade de corpos de água subterrânea à contaminação.

Considerando a relevância da proteção dos recursos hídricos para a sustentabilidade da agricultura, a Embrapa Gestão Territorial desenvolveu uma metodologia de caracterização da vulnerabilidade à contaminação do lençol freático baseada no índice de tempo de retenção, elaborado, por sua vez, com o conceito de tempo de convecção ou de percurso de contaminantes no solo.

Um estudo no MATOPIBA foi realizado de maneira espacializada, em escala exploratória. Em razão da grande abrangência geográfica, em escala topográfica menor, os dados de entrada foram obtidos remotamente, com posterior integração em um Sistema de Informações Geográficas (SIG). As áreas que apresentam valores de tempo de retenção inferiores a um ano, classificadas como de “alta vulnerabilidade", são consideradas prioritárias para ações de ordenamento e fiscalização do uso correto de agroquímicos – mas também quanto à contaminação microbiana – e para o monitoramento da qualidade das águas. Foram identificadas áreas do MATOPIBA no bioma Cerrado em que o lençol freático é mais vulnerável à contaminação, como o oeste da Bahia e o centro-norte do Tocantins.

Recursos hídricos

Os resultados gerados poderão subsidiar o correto planejamento territorial de atividades agrícolas ou industriais com potencial de contaminação do lençol freático no MATOPIBA, minimizando, assim, possíveis impactos negativos advindos destas atividades às águas subterrâneas.