Agroanalysis - A Revista de Agronegócio da FGV

Ciência regulatória

ANDEF fomenta conhecimento sobre avaliação do risco

Novembro de 2017

O CONGRESSO Brasileiro de Toxicologia (CBTOX) é um dos maiores e mais importantes eventos da área no Brasil, realizado pela Sociedade Brasileira de Toxicologia (SBTOX) a cada dois anos, desde 1981.

Neste ano, a Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, foi palco para a 20ª edição do CBTOX, que ocorreu entre os dias 8 e 11 de outubro e contou com cerca de quinhentos participantes.

A Andef, por meio de um estande interativo, levou a mensagem sobre avaliação do risco (ambiental, dietético e ocupacional). Foram abordadas mensagens-chave sobre o assunto, e, com foco na avaliação do risco dietético, havia uma barraca de feira com frutas (maçãs, mexericas e bananas) disponíveis a todos, mostrando o rigor da avaliação do risco considerando o consumo brasileiro, exemplificando-se por meio da quantidade específica consumida anualmente pelo brasileiro, dos Limites Máximos de Resíduos (LMR), da Ingestão Diária Aceitável (IDA), entre outros. A interação com o estande foi intensa, e ele recebeu visita de todos os públicos presentes no Congresso.

Visando à constante atualização e à importância da comunicação no âmbito regulatório, a Andef promoveu conhecimento e levou informações de caráter científico para que os participantes se sentissem seguros e abastecidos sobre diversas questões aplicadas à avaliação do risco como ferramenta regulatória.

O CBTOX engloba um amplo programa em todas as áreas de Toxicologia e tem contado, a cada edição, com um número crescente de participantes nacionais e internacionais. Além disso, o encontro representa, também, uma oportunidade para aprimorar e aumentar as redes de colaboradores e, para os jovens, de estabelecer contatos com possíveis orientadores de várias partes do mundo e apresentar e debater os resultados de suas pesquisas.

Na ocasião, toxicologistas de vários países pertencentes às áreas clínica e experimental, da indústria, de entidades governamentais e da Academia trocaram suas experiências e debateram sobre diversos temas, desde metodologia alternativa aos estudos com animais até implementação de avaliação do risco no sistema regulatório de defensivos no Brasil.

Durante os quatro dias do evento, foram realizadas 44 mesas-redondas, que trataram de diversos temas. A Andef contribuiu, também, por meio da apresentação de um artigo científico que trata da não relevância do estudo de DL50 dermal para a classificação toxicológica dos produtos.