Agroanalysis - A Revista de Agronegócio da FGV

Broca-do-café

Cooxupé alerta produtores para evitar prejuízos nos cafezais

Dezembro de 2018

É fundamental eliminar frutos remanescentes da safra anterior, investir em um manejo eficiente e observar o comportamento da praga

A BROCA-DO-CAFÉ é uma ameaça real aos cafezais das principais regiões produtoras do Brasil, e, se o cafeicultor não tomar as providências necessárias para um controle efetivo, os prejuízos serão significativos para a próxima safra. Esse é o alerta do Departamento de Desenvolvimento Técnico da Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé (Cooxupé).

O inseto responsável pelos estragos é um pequeno besouro com nome científico de Hypothenemus hampei. Ele perfura o grão do café geralmente pela parte da coroa e, lá dentro, coloca os ovos. Depois, transforma-se em larva, que se alimenta da parte interna do café, comprometendo a qualidade e o peso dos grãos. Os danos referem-se à queda da produtividade, à pior qualidade e à perda de competitividade.

Na safra 2017/18, do total de café recebido pela Cooxupé, 3,43% eram brocados. Em 2016/17, foram 6,52%. Segundo a cooperativa, o recebimento de café brocado nas últimas colheitas tem mostrado que, nos anos de safra mais baixa, o problema tende a aumentar.

Diante de uma maior incidência do ataque da broca, o monitoramento é fundamental e deve ser feito a partir de sessenta a noventa dias da principal florada. A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), por exemplo, disponibiliza uma planilha para medir a porcentagem de infestação da praga. Ao atingir de 1% a 2% de infestação, a equipe de profissionais agrônomos da Cooxupé recomenda o início da pulverização com inseticidas específicos para o controle.

“Há uma tendência de iniciar a aplicação de inseticidas de choque associados à Beauveria bassiana sessenta dias após a principal florada, havendo a presença da praga. A utilização de armadilhas pode ajudar na tomada de decisão para iniciar o controle químico associado à B. bassiana", explica a equipe de agrônomos da Cooxupé.

As aplicações subsequentes de inseticidas devem levar em conta:

- a - porcentagem- de infestação (planilha de monitoramento);

- a alternância de princípios ativos e o modo de ação dos inseticidas; e

- a tecnologia de aplicação adequada (revisão e adequação dos pulverizadores).

CAFEEIROS VULNERÁVEIS

O prejuízo nos cafezais provocado pela broca começa quando as fêmeas adultas fecundadas fazem as galerias nos frutos para colocar os seus ovos. Porém, o comprometimento maior é ocasionado pelas larvas, que se alimentam das sementes até se tornarem adultas. Os insetos alimentam-se de sementes de café verde que não estejam mais no estágio aquoso, de café maduro e, também, de café seco. O macho, além de ser menor do que a fêmea, não possui asas e passa toda a sua vida no fruto em que foi gerado.

Diante disso, segundo o Departamento de Desenvolvimento Técnico da Cooxupé, são recomendados eliminação dos frutos remanescentes da safra anterior (colheita bem-feita, repasse e varrição), investimento em manejo eficiente e observação do comportamento da praga.

DE OLHO EM 2019

Os prejuízos para a próxima safra podem ser significativos caso o cafeicultor não tome as devidas providências para o controle da praga. A infestação pode impactar toda a cadeia de café. Por exemplo:

- Para o cafeicultor – queda de produtividade e pior qualidade;

- Para a cooperativa – maior custo no preparo do café devido à necessidade de - remaquinar- , além do estoque de cafés brocados, o que representa perda de competitividade;

- Torrefação – menor disponibilidade de cafés para uso interno, ou seja, limitação do uso de cafés brocados conforme portaria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (- Anvisa- ).

“Para obter sucesso no controle da broca-do-café e evitar todos esses prejuízos impactantes, o cooperado da Cooxupé encontra no Departamento de Desenvolvimento Técnico uma equipe de profissionais qualificada para orientá-lo e prestar assistência à sua lavoura. Nosso objetivo é que os produtores alcancem cada vez mais qualidade, ganhando, assim, mais competitividade", afirma o gerente do setor da Cooxupé, Mário Ferraz.

CUIDADOS PARA UM MANEJO EFICIENTE DA BROCA-DO-CAFÉ

- Colheita bem-feita

- Repasse

- Varrição

- Trincha (lavouras mecanizadas)

- Esparramação- do cisco