Agroanalysis - A Revista de Agronegócio da FGV

Opinião

São Paulo, compromisso com a inovação

Julho de 2017

ARNALDO JARDIM - Colunista

ARNALDO JARDIM, Deputado federal (PPS/SP) e ex-secretário de Agricultura e Abastecimento do estado de São Paulo

Outros textos do colunista

O GOVERNADOR Geraldo Alckmin autorizou, no último dia 25 de maio, o investimento de R$ 120 milhões para modernização da estrutura de vinte institutos de pesquisa paulistas, por meio de recursos repassados à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), que gerenciará este programa. Os recursos beneficiarão nossa Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) e seus seis institutos de pesquisa: o Agronômico (IAC), o Biológico (IB), o de Economia Agrícola (IEA), o de Pesca (IP), o de Tecnologia de Alimentos (ITAL) e o de Zootecnia (IZ).

O repasse de até R$ 20 milhões a cada instituto pode representar um salto de qualidade no trato da política de desenvolvimento científico e tecnológico paulista, tanto no que se refere ao fomento de projetos com aplicação futura, como no que se refere aos significativos incrementos na atuação presente dos institutos. Participamos ativamente na construção dessa alternativa, com uma postura muito proativa dos dirigentes dos nossos institutos, envolvidos desde o início na negociação dos termos do edital publicado.

Os investimentos nos seis institutos e nos quatorze polos regionais provaram ser muito bem empregados, com um retorno gigantesco, como pode ser evidenciado pelos resultados apresentados na segunda edição do “Balanço social 2014-15”, no qual se constatou que, para cada R$ 1,00 investido, o retorno à população foi de R$ 11,40.

Nesse período, foram investidos R$ 616,4 milhões na APTA, sendo 74% deste valor oriundos do governo do estado de São Paulo, 17% da iniciativa privada e 3% das agências de fomento estadual e federal. Nesse mesmo período, o impacto das tecnologias desenvolvidas pela Agência foi de R$ 7 bilhões.

Esses resultados foram possíveis graças a um investimento contínuo do governo do estado em nossas unidades, permitindo a adequação e a modernização da nossa infraestrutura, principalmente laboratorial. Um dos resultados dessa ação foi a implantação de programas de qualidade que possibilitaram a acreditação pela norma ISO 17025 e o credenciamento pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), atendendo a demanda dos mercados interno e externo, envolvendo cerca de 220 normas e procedimentos.

A iniciativa privada é outra grande parceira e usuária das tecnologias desenvolvidas pela APTA. No período analisado, o recurso privado correspondeu a 17% do orçamento da Agência, número alto, principalmente se compararmos com a participação de empresas em outras instituições públicas de ensino e pesquisa. O investimento privado em nossos institutos deve-se, sobretudo, à aplicabilidade dos estudos e à credibilidade conquistada nesses quase 130 anos de pesquisa científica.

Em aliança a tudo isso, é relevante mencionar os avanços que o estado possibilitou entre as áreas de pesquisa, a iniciativa privada em geral e os servidores públicos, possibilitando a aplicação efetiva de novas regras relacionadas à inovação tecnológica, que se iniciam com a efetiva operação dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs). Trouxe-se, assim, a possibilidade do estabelecimento de relações seguras e que atraem tantos outros tipos de investimentos.

Investir em inovação e tecnologia não é só uma necessidade básica, mas também um grande negócio para toda a sociedade. E o setor agropecuário tem um exemplo vivo disso, algo que não pode ser interrompido!