Agroanalysis - A Revista de Agronegócio da FGV

OCESP

Cooperativa, um modelo mais justo de negócio

Julho de 2017

COOPERATIVAS SÃO empreendimentos diferenciados. Nascem com o propósito econômico, como as demais empresas, mas com viés fortemente social. As pessoas de determinado ramo de negócio unem-se numa cooperativa para conseguir ingressar no mercado tão competitivo. Juntos, estes empreendedores, em sua maioria pequenos, ganham escala, diminuem custos e aumentam o poder de barganha. A força do cooperativismo está na união das pessoas, no modelo democrático de administração e no apelo social.

Há cooperativas nas mais variadas atividades econômicas, como agropecuária, crédito, consumo, energia, saúde, transporte, turismo, reciclagem e tantas outras. Todo sócio, chamado de cooperado, tem direito a voto nas assembleias que decidem os rumos do negócio. Os cooperados são donos e, ao mesmo tempo, usuários dos serviços e dos produtos da cooperativa.

Outro ponto positivo desse modelo é a melhor distribuição de renda. As cooperativas não têm o objetivo do lucro para poucos, mas sim o de gerar e distribuir renda a todos os cooperados, de forma proporcional ao trabalho ou à participação de cada um. Esta distribuição mais justa e ampliada da receita aquece a economia do entorno da cooperativa, nas comunidades onde vivem os cooperados, atraindo investimentos em saúde, educação, transporte, comércio, habitação, lazer etc. Pesquisa feita pela Universidade de São Paulo (USP) já demonstrou que o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é melhor em municípios com cooperativas.

E a receita não é de hoje. Desde o surgimento da primeira cooperativa da Era Moderna, em meados do século XIX, na Inglaterra, o cooperativismo estabeleceu-se com base em valores e princípios. As cooperativas fundamentam-se na ajuda mútua, na responsabilidade social, na democracia, na igualdade, na equidade e na solidariedade. São empresas, sim, mas com DNA social.

No estado de São Paulo, somos 4 milhões de cooperados em mais de 1.100 cooperativas, que movimentam R$ 45 bilhões por ano, gerando crescimento econômico aliado a benefícios sociais para toda a comunidade, de maneira duradoura, sustentável. No Brasil, são 6.700 cooperativas e 13 milhões de cooperados. No Planeta, há mais de 1 bilhão de cooperados. Temos orgulho de participar de um sistema que melhora a qualidade de vida de tantas e tantas famílias.

Por todos esses motivos, há cinco anos, as Nações Unidas (ONU) chamaram a atenção do mundo ao decretarem o Ano Internacional das Cooperativas. Por todos esses motivos, as cooperativas têm sido reconhecidas como empreendimentos promotores dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. Por tudo o que representam e realizam, as cooperativas garantem que ninguém fique para trás.