Agroanalysis - A Revista de Agronegócio da FGV

Confinamento de bovinos em 2016

Queda da arroba derruba o lucro

Setembro de 2016

AS ESTIMATIVAS de lucro com o confinamento de bovinos em 2016, para a entrega do animal terminado em novembro próximo, foram revisadas para baixo com a pressão de baixa no mercado físico, que se reflete em quedas nas cotações da arroba no mercado futuro. O lucro da atividade é estimado em R$ 6,77 por cabeça.

Diante desse cenário, vale a pena fazer a conta, apurar o custo e o resultado da fazenda e comparar ao custo de oportunidade de outros investimentos. Mas, o mais importante é somente decidir pelo confinamento se se utilizarem ferramentas de trava de preços. O risco de mercado em 2016 está grande, a começar pela margem das indústrias, ineditamente baixa. Isso, certamente, reduzirá o espaço de alta para a arroba e pode até imprimir preços abaixo dos projetados no futuro.

Historicamente apertadas, as margens da indústria frigorífica geram pulos e falhas nas escalas de abates. Isso diminui a demanda por boiadas e colabora com esse cenário de baixa nos preços em plena entressafra, mesmo sem oferta folgada de animais.

Confinamento de bovinos em 2016

O pecuarista, por sua vez, resiste em ceder a essa pressão de baixa, amparado na pequena disponibilidade de boiadas. O seu grande esforço de manter os animais na fazenda acaba limitando as quedas. Segundo levantamento da Scot Consultoria, em Araçatuba, no estado de São Paulo, o preço da arroba do boi gordo caiu 4,1% desde meados de junho deste ano, ficando em R$ 151,00 à vista em agosto.

QUAL É O RESULTADO DO CONFINAMENTO?

Para estimar o lucro da atividade, foi considerado o confinamento exclusivo, ou seja, aquele em que o pecuarista compra o boi ao redor de 12 @ no mercado para engordar no cocho. Para a diária (custos operacionais + dieta), em todos os meses foi tomado o valor máximo coletado em 2016 em São Paulo, de R$ 9,00 por cabeça por dia, na época em que o milho atingia os maiores preços do ano. O período de confinamento é de noventa dias, com ganho de peso médio de 1,5 kg por dia.

O cálculo foi feito da seguinte forma: para abril, por exemplo, foi considerado o que o confinador enxergava de resultado se comprasse o boi magro no preço médio daquele mês, confinasse em maio e, noventa dias depois, em julho, vendesse este bovino no preço do mercado futuro de julho, precificado no último dia de abril.

Observe que o lucro por cabeça diminuiu para quem fechou a boiada em setembro. A estimativa é de um lucro de R$ 6,77 por cabeça, levando em conta os preços de venda em novembro deste ano na BM&FBOVESPA, de R$ 152,99/@ (em 15 de agosto).

Confinamento de bovinos em 2016

Como comparação, o boi fechado em agosto, com abate previsto para outubro, teve o lucro médio de R$ 130,37 por cabeça. A diferença deu-se basicamente pelo preço de venda e, consequentemente, pela receita por animal, que caiu de lá para cá. O preço médio do boi magro e o custo da diária ficaram estáveis nesse período.

Cabe ressaltar que os resultados apresentados são simulações, com preços de insumos e bovinos de reposição levantados pela Scot Consultoria, mas que cada operação possui um custo próprio. A intenção é mostrar a dinâmica de resultados.